E Floripa segue o seu curso natural de todo o ano…greve dos trabalhadores do transporte público,aumento da tarifa do ônibus, protesto de estudantes, tropa de choque e, por alguns momentos, nos sentimos em uma ilha sitiada, em 1964, onde um suspiro e uma plaquinha de protesto resultam em bombas de efeito moral.
Mais uma vez a tarifa subiu, de R$1,80 para R$1,90 no cartão e de R$2,10 para R$2,40 em dinheiro. E mais uma vez os estudantes foram para a rua. O que eu nunca entendi é porque sempre é necessário chamar o batalhão de operações especiais da polícia, a tropa de choque e companhia para acompanhar um protesto de estudantes desarmados. Ontem no horário do meio-dia, na rótula da UFSC, estava indo para casa e vejo uns 50 estudantes (chutando alto hein!) protestanto (dentro da Universidade) e quase o equivalente de efetivos da tropa de choque. Rídiculo.
Este ano não estou acompanhando os protestos, então separei algumas fontes que descrevem melhor o que está acontecendo:
Relato e fotos no CMI – Floripa
Reação da Adm da UFSC em relação à violência dos policiais no Campus Universitário.
Blog Frente única

Anúncios